BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

domingo, janeiro 22, 2017

Com a ascensão da vilã-mor Mag (Vera Holtz), A Lei do Amor (a novela dos vilões) chega aos 30 pontos

A melhor cena de A Lei do Amor até agora
A Lei do Amor não chega a ser aquele novelão estilo Avenida Brasil, O Clone e Tieta, nem querendo, mas mesmo assim é uma boa pedida para o horário nobre da Globo. M. Adelaide Amaral, autora de sucessos como (segunda versão) Anjo Mau, Tititi, (versão original) Sangue Bom, A Casa das Sete Mulheres, A Muralha, Os Maias etc., aprendeu muito do que é escrever telenovela com Cassiano Gabus Mendes e Silvio de Abreu, tanto que A Lei do Amor lembra Meu Bem, Meu Mal (1990), A Próxima Vítima (1995) e Torre de Babel (1998).
Vera Holtz encarna a verdadeira mulher do Diabo, uma mistura de Filomena Ferreto (Aracy Balabanian), Ângela Vidal (Cláudia Raia) e Isadora Venturini (Sívia Pfeifer). Magnólia, Mag para os íntimos, é a personificação do mal escondida em "boas ações" e "gentilezas". Vera está sambando em A Lei do Amor, talvez em seu melhor papel da TV, apesar de Vera ser dessas atrizes que transforma uma simples participação em algo estrondoso.
Junto à Mag está Ciro, outro monstro, que por ambição faz qualquer coisa para vencer. Ciro é interpretado pelo não menos espetacular Thiago Lacerda, que só tem crescido como ator. Thiago é bom galã (Terra Nostra, A Casa das Sete Mulheres), bom vilão (América, e agora com A Lei do Amor), vai bem na comédia (Quem vai ficar com Mário? lembram?), é bom coadjuvante (Joia Rara), enfim, é sempre um prazer vê-lo em cena. Bravo!
José Mayer voltou com tudo e o seu Tião deu um novo up em sua carreira, visto que seus últimos papéis na TV foram ruins (Império, Fina Estampa e A Favorita, por exemplo).
A Lei do Amor é a novela dos vilões.
Grazi, Cláudia Raia, Camila Morgado, entre outros, estão bem, não em seus melhores momentos, mas bem, enquanto o casal principal Helô e Pedro, que na 1ª fase roubaram todas as atenções com Isabelle Drummond (principalmente por ela) e Chay Suede, perdeu todo o encanto com Cláudia Abreu e Reynaldo Gianecchini. Helô e Pedro viraram os detetives da novela, soam como defensores da Liga da Justiça. Estão chatos! O mote principal da novela é em torno desse suspense todo em cima de Mag, mas porque Pedro e Helô forçam tanto?
A história do casal principal seria mais interessante se ambos fossem mais engraçados. Poderiam viver como cão e gato, ora felizes juntos, ora brigando, sempre unidos na questão "vamos destruir a Mag!". Poderiam ser mais soltos, às vezes atrapalhados, bobos com graça.
Salvem Pedro e Helô. Cláudia Abreu e Gianecchini merecem. Salvem Pedro e Helô, em memória aos ótimos Chay e Isabelle.
A Lei do Amor alcançou na última semana a maior média desde a estreia: 30 pontos.
Nos últimos capítulos, com a ascensão da vilã-mor Mag (Vera Holtz), a trama das nove da Globo está fervendo. Vai crescer mais se seguir este caminho.
Por mais que o casal (ex 20) Helô e Pedro estejam por ora chatos de doer, ninguém supera Heloísa Perissé, muito ruim como Mileide. Ruty Raquel (Titina Medeiros) é muito mais engraçada.
Sobre as vilanias de Mag (Vera Holtz), que não parem por aqui.

sexta-feira, janeiro 13, 2017

Xuxa como Faustão, a nova arma da Record (Xuxa precisa de Rosana Hermann, urgente!)

Xuxa como Faustão?
Xuxa com R. Hermann é a solução!

Segundo o site UOL, é oficial: Dançando com as Estrelas é o novo formato de Xuxa para a TV, e ao que parece, a Record está apostando alto para o programa da loira, tanto que anda procurando outros formatos para o Xuxa Meneghel, bem como faz Fausto Silva com seu Domingão do Faustão.
Como era esperado e avisado há uns posts atrás, Xuxa está sendo acusada de traição (para com Faustão). Business, apenas business. Será?
Xuxa continuará as segundas-feiras (coisas que só entende quem trabalha na Record), enfim!, pode sim a versão de Xuxa para o Dança dos Famosos do Faustão dar certo. A Record tem muitos bons atores. Cristiana Oliveira, Luiza Tomé, Leonardo Vieira (essa é a hora da Record se posicionar e dar destaque ao ator e de Xuxa aproveitar Leonardo Vieira), Marcos Pitombo (ao que parece a Globo não o contratou), Paloma Bernardi etc. Há muitas estrelas.
A Record terá que caprichar no cenário. A Record não costuma acertar a mão nos cenários. O de Xuxa, mesmo sendo um dos mais caros do showbizz nacional não é bonito.
É a última chance de Xuxa na Record. Talvez na carreira (há quanto tempo você lê isso em blogues, revistas e sites? Em 2005, a revista Contigo! estampou como matéria de capa exatamente algo desse tipo). Passados doze anos, Xuxa continua firme na batuta.
Mas, porém, todavia, precisa ser melhor assessorada. 
Custa caprichar na redação?
Custa contratar Rosana Hermann?

→ Não adianta, continuo insistindo que Rosana pode ser a salvação de Xuxa. Não só como redatora. Rosana entenderia o espírito de Xuxa. Rosana como sua diretora. 
As duas já trabalharam juntas e se estranharam, mas isso foi em 1993, as duas seguiram suas vidas, e ambas se aperfeiçoaram e talvez esse embate seria certeiro.

Que tal Xuxa?
Xuxa é um ícone. Essa coisa de salvação é balela, mas ibope, TVs vivem de ibope. Aprendam! 
Há quanto tempo escutamos (lemos) isso:
A nova Xuxa.
Ou mudava ou enlouquecia.
Agora sou eu, sem cortes.

Por favor, voltem com:
Xuxa arrasa!


Flavio Ricco, renomado jornalista do UOL, disse hoje em sua coluna que Geraldo Luís é o diferencial da Record.

Ele está certo?

Dois Irmãos é uma obra prima, com todo o esmero esperado das tramas de Luiz F. Carvalho, portanto, nada ali é mastigado, talvez isso explique o porquê a audiência preferir Aldo (também boa, mas bem aquém)

Divulgação TV Globo
Dois Irmãos substituiu a minissérie de José Aldo, que era filme, praxe da Globo nos últimos anos. Aldo deu médias superiores a 22 pontos, a maior média de Dois Irmãos até então. Aldo teve merecida audiência. Dois Irmãos como dramaturgia é primorosa, fiel e esplêndida. Por mais minisséries assim. Entretanto, a diferença para Aldo é o lado atrativo. Aldo não foi chata (o filme não é chato). Dois Irmãos é (calma, vou explicar). O jeito de Luiz Fernando Carvalho de conduzir o espetáculo é um primor, ele tem a delicadeza de bons produtores teatrais e está levando isso para a TV, há tempos. Foi assim com Hoje é Dia de Maria (1 e 2), A Pedra do Reino, Capitu, Afinal, o que querem as mulheres?, Meu Pedacinho de Chão e Velho Chico. As tramas de Luiz F. são para um público sofisticado. Portanto, isso explica porque Aldo superou em audiência Dois Irmãos. 
Dois Irmãos tem uma história forte em que a mãe não parece fazer questão de esconder sua predileção por um dos filhos (gêmeos) e isso acaba gerando muitos conflitos na família. 
Há também muitas atrizes desfilando nuas, como um deleite para os telespectadores assíduos (ou mesmo para assegurar telespectadores mais fujões).
Enfim, Dois Irmãos é a soma de muitas qualidades, elenco, direção, escritores, fotografia, cenários, figurino, e em seu contexto, segue o mesmo tipo de narração de Os Maias. É linda, mas não é para todos os públicos. É preciso saber apreciá-la. Saboreá-la minuciosamente. É preciso entrar no ritmo proposto por Luiz Fernando Carvalho. Dois Irmãos é uma obra prima, sem dúvida, mas que necessita de tempo para ser digerida, assim como em todos os outros trabalhos citados do diretor.
Aldo veio mastigada. Dois Irmãos está um degrau acima.

Em tempo: Raízes, minissérie que vem depois, é simplesmente espetacular.


terça-feira, janeiro 03, 2017

Vale a pena ver de novo Escrava Isaura?


Com o fim de Escrava Mãe, a Record resolveu apostar todas as fichas em Escrava Isaura. Escrava Isaura é a continuação de Escrava Mãe, mesmo Escrava Mãe ter vindo bem depois. A primeira versão  (Globo) de Escrava Isaura foi ao ar em 1976 com Lucélia Santos no papel título. Foi reprisada cinco vezes (1977 - 1979 (compacto) - 1982 - 1985 (somente para o Distrito Federal) e 1990 (compacto)). A segunda versão (Record) teve Bianca Rinaldi no papel principal. Foi ao ar em 2004, sendo reprisada em 2005, 2007, 2014 (Fox Live) e a partir do próximo dia 9 de janeiro (pela Record).
A ideia é legal, porém a história está muito manjada (mesmo sendo uma ótima novela). A Record abusou demais de Escrava Isaura. Será a quinta exibição da trama em um intervalo muito pequeno.
Vai dar certo? Pode ser que sim. 

Entretanto: a Record deveria ter apostado logo em Belaventura. A trama inédita seguraria tranquilo a boa audiência de Escrava Mãe. Com a quarta reprise, pode jogar tudo para o alto.

Somando a versão da Globo e a versão da Record, Escrava Isaura vai ao ar pela 11ª vez.

Em tempo: como pode uma emissora contar com Carlos Lombardi e ainda não encomendar uma novela do estilo de Quatro por Quatro (1994) para o horário?

Carlos Lombardi por anos foi considerado o rei das sete na Globo.