BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

quarta-feira, outubro 31, 2012

Aquela dos 30

Que se dane a crítica NORTE -americana, a Sandy é brasileira e tem que ser valorizada no país dela e pode ter a infinita certeza de que ela é muito valorizada aqui. Sua voz é inconfundível e graças a Deus - Ave Maria! - ela acordou e parou com aquela chatice de Sandy sua devassa, a lindinha foi princesinha, continua e sempre será, não por estigmas! mas porque ela é assim. Sandy tem horas que eu amo, e tem horas que irrita, ela consegue provocar isso em mim, mas é um talento, assunto inegável. A cantora lançou seu novo cd, quer dizer, um EP com 4 músicas, e está mais do que confirmado, ela se achou! Princípios, meios e fins é uma continuação de Manuscrito, mas muito melhor, e olha que eu gostei muito do antigo. Li isso em algum lugar e concordo: a cantora não parece estar preocupada com as rádios e faz música conforme sua alma apita. Linda! Sandy, essa jovem pra ser velha e velha pra ser jovem, aquela dos 30, ouçam, música leve e descontraída, muito boa, mesmo!

terça-feira, outubro 30, 2012

Última crítica à Gabriela (aquela de Cravo & Canela)

              Penso cá com meus botões, como teve sorte o senhor Walcyr Carrasco (o autor), conseguiu juntar Tarcísio Meira, José Wilker e Antônio Fagundes, três dos maiores e inesquecíveis galãs de todos os tempos. Tarcisão é o pai de todos, nem sei se um dia haverá alguém para desbancá-lo, tem na voz uma arma que seduz, expõe de maneira inquietante toda sua masculinidade, todo homem gostaria de ser Tarcísio Meira e toda mulher gostaria de tê-lo em seus braços, mesmo velhinho, afinal! ele continua esbanjando charme, a torto e a direito. E se Tarcisão é o macho Alfa, José Wilker é a malandragem em pessoa, no bom sentido da coisa. Ou o Vadinho (Dona Flor) incorporou de tal maneira ou ele é assim mesmo, um canalha, um bruto. As cenas no julgamento de Coronel Jesuíno foram hilárias (Bete Mendes, Laura Cardoso e Ângela Rebelo num estereótipo às irmãs Cajazeiras de O Bem Amado foram incríveis). O monólogo de Wilker no penúltimo capítulo foi de arrebentar e arrepiar quem curte talentos de verdade. Abaixo segue o link dos capítulos, a quem interessar. No site aliás, consta, na íntegra, os capítulos de sua novela favorita. Muito bom! E tem o Fagundão e sua fala que às vezes chateia, mas que se tornou sua marca registrada. Dizem que ele fala com uma batata na boca, mas é Fagundes, jeito e cara de machão, um Petrucchio, aquele que que se faz de durão, mas tem no olhar toda a sua ingenuidade, ali seus sentimentos afloram. Depois do Bruno Mezenga de O Rei do Gado, Antonio Fagundes assumiu o personagem de tal maneira que os seguintes parecem todos iguais. Não são, claro. Teve o Félix de Porto dos Milagres que não me deixa mentir. Mas suas melhores atuações, a meu ver, foi quando ele não buscava caricaturas e interpretava de forma simples e arrasadora, Otávio de A Viagem, Felipe Barreto de O Dono do Mundo, Caio de Rainha da Sucata e Ivan de Vale Tudo são provas vivas, não tirando, óbvio, todo o charme do Coronel de agora. 
Três incríveis galãs, três tipos a serem copiados! mas nunca iguais. Três admiráveis atores, finos na vida, artistas no singular. Ok, Humberto Martins ocupou o pódio de galã da novela, mas uma vez galã sempre galã, e a força descomunal desses três ficará viva para todo o sempre.
O destaque dessa vez fica mesmo para José Wilker, seu Jesuíno foi a alma do que era os homens daquela época e junto da Laura Cardoso conquistou os telespectadores. Se quando as pessoas que viram a primeira versão já memorizam a Sônia Braga, não estou desmerecendo a Juliana Paes, longe de mim! Cá pra nós, bem baixinho, eu nem gosto muito da Sônia não! Quando alguém lembrar dessa versão, "Se arrume, que eu quero lhe usar" e "Jesus Maria José" serão expostas em meios a risos e festas. A novela foi mesmo de José Wilker e da Laura Cardoso. Não há dúvidas. Palmas!!!

Lembram? José Wilker teve uma atuação magistral e não moveu nenhum músculo da face durante a sequência mais forte da novela. Coronel Jesuíno arrombou a porta da casa onde fica o consultório de Osmundo (Erik Marmo); subiu as escadas; girou a maçaneta da porta do quarto em que Sinhazinha (Maitê Proença) e seu amante estavam; se deparou com os dois se beijando; olhou; mirou; e atirou em ambos a sangue frio. Uma cena marcante e muito pesada. 

Veja:





Stop, Salgadinho, STOP!

                              Morreu no último sábado, aos 59 anos, a atriz Regina Dourado, uma baiana arretada, cheia de disposição, um baita talento, mas que foi vencida pelo câncer, ô doença maldita, rapaz! A primeira novela em que eu a vi foi em Renascer, 1993, que vai ser reprisada pelo Canal Viva a partir do dia 7 próximo, na trama de Benedito Ruy Barbosa ela foi Morena e formou com Roberto Bonfim um dos melhores casais da TV, muito legal mesmo. O sucesso foi tanto que em 1994 surgiu sua primeira e única protagonista. Foi Serena na novela Tropicaliente, de Walter Negrão. Mas foi no final de 1995 que Regina teve em mãos o que considero seu melhor trabalho na telinha. Stop Salgadinho, stop! O bordão de Lucineide em Explode Coração ganhou o país e a personagem consagrou de vez a atriz. Como já foi falado por aqui, nunca entendi o fato desta novela nunca ter sido reprisada, talvez agora alguém lá da Globo lembre dela, quem sabe? Assista o vídeo abaixo e se divirta. Muitas saudades. Regina ainda foi agraciada pela crítica e pelo público numa participação marcante na novela O Rei do Gado, de 1997, interpretou uma índia. Especial. Brilhou em Anjo Mau, América, Esperança, entre outras. Se foi e que sua escandalosa e deliciosa gargalhada divirta a partir de agora o pessoal lá de cima.

sexta-feira, outubro 26, 2012

The end com o dever cumprido: Gabriela foi uma novela boa. Muito boa (com trocadilho pra Juliana Paes, de propósito)

 Jesus Maria José é a senha para Dona Dorotéia (Laura Cardoso) iniciar uma perseguição a quem transgrida a moral e os bons costumes, foi ela a culpada pela morte da melhor personagem de Gabriela (Cravo e Canela) que vai estampar seu The End nesta sexta, logo após o Globo Repórter, na Globo. A personagem em questão é Sinhazinha, com uma Maitê Proença nunca vista na telinha. E só por isso a trama das onze já valeu a pena. Sério!
Jurei para mim mesmo que não ia assistir mais nada do Walcyr Carrasco, e até hoje acho que Gabriela nas mãos de um Ricardo Linhares ou mesmo do Aguinaldo Silva, o resultado seria muito melhor, mas analisando o produto como um todo, confesso que gostei. Com licença, senhores! que eu vou cagar, PQP, não acredito nisso? Sim, o Coronel Jesuíno conquistou geral, virou hit nas redes sociais e a expressão 'vá se arrumar que eu quero lhe usar' ganhou o mundo, José Wilker genial, como sempre, ou melhor, quando quer! Walcyr vai assinar o folhetim que sucederá Salve Jorge (Gloria Perez) e a contar com os temas que ele vai abordar (erros médicos e a luta de um casal homossexual para adotar uma criança no Brasil) dá uma esperança de que vem coisa muito boa por aí. Tomara!
Do Nacib (Humberto Martins) por ora eu gostava, o jeito meio esculachado dele foi de um primor, Humberto soube emocionar também, é um ator em ascensão e a química com Juliana Paes funcionou bem, e cá entre nós, tudo bem que Gabriela com mais de trinta anos ficou um tanto fora do contexto, mas pergunte aos homens que assistiram a novela o que acharam da escolha? A Maya de Caminho das Índias ainda é o melhor personagem da carreira de Juliana, mas o que foi a nudez de Gabriela, Jesus Maria José, de parar o trânsito, de deixar qualquer um louco, linda! Linda! A mais sexy do PAÍS. 
Marco Pigossi é bonzinho, ainda me recordo do seu impagável Rosa Chiclete, muito bom! Mas vai para o intérprete do Berto minha rasgação de seda. Rodrigo Andrade é tão bom ator, mas tão bom ator! que sua imagem se confunde com os personagens que ele dá vida, juro! não é preconceito, bobo de quem for pensar que é, mas tinha pra mim que ele era gay mesmo, visto sua dedicação em Insensato Coração (2011), e não é que um ano depois ele me convence do contrário, o cara é um brutamontes, dos piores! Deixa o Coronel de José Wilker no chinelo. Coisas que só bons atores conseguem fazer. E junto nesse monte está a linda da Lancelotti. Roubou a cena.
Vanessa Giácomo e Bel Kutner, foi muito difícil ter que engolir a seco tantos tapas que elas levaram. Coitadas! Sofremos juntos! O amor impossível de Mundinho e Gerusa, Mateus Solano sempre muito bem e enfim! deram uma chance para a Luiza Valdetaro, já era sem tempo. Chico Diaz, Ary Fontoura, Fagundão, Ivete foi joia, Fabiana Carla, todos cumpriram bem sua missão. Gabriela foi a glória (com trocadilho com o nome da personagem) para a atriz Suzana Pires, foi salva do mico de Fina Estampa (sorte que brasileiro tem memória curta). As cenas da teúda e manteúda com o professor foram hilárias, todas! E a cena dela nua andando pela cidade foi legal! Que corpão! Anderson di Rizzi, anotem esse nome, vai longe!
Com certeza esqueci de mencionar muita gente na crítica, mas como Gabriela foi uma trama de muitos acertos, sintam-se todos agraciados, todos! Essa afirmação não dá a ela a condição de novela perfeita, até porque não foi, outro na escrita se daria muito melhor, mas em todo o caso foi muito boa de acompanhar. Ano que vem a Globo vai refazer Saramandaia, do Dias Gomes, ansioso com a estreia. E que tomem gosto por essas novelas regionais e voltem com Tieta, Pedra sobre Pedra e Dona Flor também.

Meu calhambeque, bi-bi!

               Uma nova música do Roberto Carlos está fazendo muito sucesso, ela é tema dos personagens Morena e Théo na novela das nove, está todo mundo cantando, ao menos o refrão, até quem tem um certo preconceito com o Rei - está sim - grudou! E se está fazendo sucesso e em novelas, é obrigação do blogue postá-la aqui. Ninguém gosta de Roberto Carlos, a não ser a mãe da gente, mas se amanhã o Rogério Flausino 'roubar' a canção e incluir no álbum do Jota Quest todos vão adorar, né não?
Segue a música, juro! é bonita (se está apaixonado é uma boa pedida):

quarta-feira, outubro 24, 2012

Gostei muito dos dois primeiros capítulos de Salve Jorge, a nova novela das nove da Globo

Dara (Tereza Seiblitz), a irmã mais velha da Jade e da Maya, em Explode Coração, de 1995, numa novela que vale muito a pena ver de novo. Detalhe: nunca foi reprisada e o motivo ninguém sabe explicar, visto que foi um grande sucesso de audiência
                                  Eu acompanho a autora Glória Perez desde 1995, tinha doze anos na época e nutria um amor platônico (já superado) pela Dara (Tereza Seiblitz, artista sumida, por sinal, uma pena!). A novela se chamava Explode Coração, tinha como pano de fundo a cultura dos ciganos e viajava pelo mundo da internet numa época que poucos tinham acesso, e muitos nem sabiam que existia! Foi lá que também surgiu o Cigano Igor, interpretado pelo insosso Ricardo Macchi, desde então, o personagem virou hit e quando alguém ia mal na televisão logo comparavam tal interpretação com o personagem. Besteira, afinal, Ricardo fez uma porta como ninguém. Pouca coisa mudou desde aquela trama. Vieram O Clone, América e Caminho das Índias, todas elas fulguram como embriões (bem sucedidos) de Explode CoraçãoDara é uma jovem cigana que se orgulha de suas origens, mas se recusa a ficar presa às tradições. Deixa sua alma rebelde falar mais alto e quebra uma tradição do seu povo:nega-se a casar com Igor, o noivo prometido. Qualquer semelhança com a Jade e a Maya não é mera coincidência. Glória é autora de De Corpo e Alma, 1992, folhetim que culminou com a morte de sua filha, Daniella, assassinada brutalmente no final daquele mesmo ano, Desejo e Hilda Furacão, duas maravilhosas minisséries e Barriga de Aluguel, que eu vi bem pouco, mas gostava. Dentre seu maior fracasso está Pecado Capital, uma releitura da obra de Janete Clair, em 1998 não funcionou. Ou seja, a autora é boa no que faz, raramente erra e suas histórias sempre emocionam.
Na última segunda-feira estreou Salve Jorge, e para quem pensou que a nova novela da mais do mesmo agora e sempre Glória Perez, ela jurou que vai ser seu último folhetim nesses moldes (acima citados), ia ser chata por demais, se enganou e feio. Glória amarrou muito bem seus personagens, estima-se que são mais de 100 - muito! né não? - gostei de todo mundo, do Rodrigo Lombardi, da Giovanna Antonelli, da Flávia Alessandra, do Alexandre Nero, enfim! de todos, mesmo! Está todo mundo bem, até então, e conforme o tempo vai passando vou listando quem vai se superando em cena, promessa! Só uma deixa: foi muito bom rever Lisandra Souto atuando, eu a vi em Quatro por Quatro quando ela interpretava a paquita erótica Elisa Maria e em Meu bem meu mal, nessa era a mocinha da trama Vitória. Linda!
O mote de Salve Jorge está na cultura da Turquia, o país é lindo, as imagens foram sensacionais, belíssima fotografia, direção ímpar, misturado a paixão arrebatadora de um amor que, com certeza, vai ser impossível e a comovente e arrepiante história de tráfico de mulheres. Querendo ainda mastigar um pouco da Classe C,  que se tornou determinante para uma audiência nas alturas, tem o Morro do Alemão, favela do Rio, e representada por Morena (Nanda Costa), a protagonista da trama.
A aposta em Nanda Costa se mostrou um acerto, ela tem brio, e mesmo estando só no segundo capítulo já estamos torcendo para a mocinha, como há tempos não acontecia! A Nina (Débora Falabella) de Avenida Brasil não vale, a personagem passava longe da perfeição sempre imposta nos novelões clássicos. Avante menina e boa sorte a ela que além de muito talentosa é muito bonita também, Glória matou dois coelhos com uma cajadada só. Valeu!
Cláudia Raia ainda não assusta como a vilã Lívia, esperando pelos horrores que a personagem deve aprontar na trama. Um fato curioso é que nas novelas de Glória Perez nunca existiu grandes vilãs, a mais peçonhenta é a Yvone (Letícia Sabatella) de Caminho das Índias, e ela nem era tão má assim, mas confiemos que com Lívia será diferente, até porque as jararacas são sempre um charme a mais.
A audiência dos dois capítulos é de 36 pontos - razoável - mas já deu pra perceber que vai superar todas as expectativas, Salve Jorge tem bons ganchos para isso.
Morena (Nanda Costa), a atual protagonista de Glória Perez.

Segunda boa crítica a fascinante história de Lado a Lado

           Tudo bem! a novela das seis da Globo anda mal das pernas, não tem audiência satisfatória - fica entre 16 e 20 pontos, números pífios em se tratando da segunda maior emissora de televisão do mundo e pela qualidade que se vê todos os dias! Ainda assim, afirmo, sem medo:  Lado a lado é fascinante. 
Patrícia Pillar e Marjorie Estiano seguem como as melhores em cena - bárbaras! - Patrícia é aquela coisa, delicada e ao mesmo tempo um furacão como atriz - sua Constância inspira ódio mortal, mas é impossível não rir com algumas de suas colocações, sempre pertinentes e muitas vezes atuais, mesmo a trama sendo de época. Marjorie, porém, segue um estilo de interpretar que eu adoro - a naturalidade - defendida desde sempre por Glória Pires. Marjorie vai longe na carreira - das novas atrizes é a que eu boto mais fé. 
Comendo pelas beiradas temos Isabela Garcia e Débora Duarte. Isabela é um doce de candura, a personagem tem toda essa sutileza, até quando discorda da vilã da história e atriz faz jus (e direitinho) os trejeitos das mulheres daquele tempo (comedidas, mas também - nada burras - coloca-se muito bem perante o que a sociedade pedia, mas está em seus olhos o desejo de amar e ser amada - sem culpas, sem rodeios). Eulália Praxedes, a sogra pavorosa e impagável interpretada por Débora me deixa extasiado, que talento meu Deus! Lembro da Débora Duarte como Maria da novela Grande Pai, do SBT com Flávio Galvão no início dos anos 1990, desde lá já a via com bons olhos, olhar puro de criança de quem a queria como tia! e vê-la agora, fazendo ainda mais sucesso e merecido, por sinal, faz-me muito feliz, Débora herdou o talento do pai e a filha herdou o talento dela e que venha muitos outros Duartes por aí, vamos adorar!
Entre os homens vou destacar Caio Blat e Thiago Fragoso, o primeiro nunca erra! nasceu pra coisa mesmo, melhor que o tio - o ator Ricardo Blat, pra quem não lembra era o Marujo de Mulheres de Areia, reprisada até março deste ano. Eu o acompanho desde a minissérie Chiquinha Gonzaga e desde então, não parou mais, de brilhar. O segundo só cresce na profissão, estudioso e esforçado, se joga com verdade em cena e fica maravilhoso. Palmas ainda para Camila Pitanga, Cássio Gabus Mendes, Lázaro Ramos, Sharon Menezes (que eu nunca gostei! Mas nessa está muito bem, mesmo!), Maria Padilha (que não pode ficar muito tempo sem atuar em novelas! É puro talento), Maria Clara Gueiros, Zezeh Barbosa, Rafael Cardoso, Marcello Mello Jr e claro, Milton Gonçalves, ouro puro.
Aquele abraço aos autores João Ximenes Braga e Cláudia Lage,enfim! a toda produção e mesmo a audiência parca, não desistam, é assim mesmo, nem sempre um produto bom é aceito, mas no fim das contas, o reconhecimento vem, vai vir (já está vindo)!

Clipe de Latino vaza na Internet (veja ele aqui) e cantor reclama (e a gente finge que acredita que ele não sabia de nada, né?)

Notícia do Ego, da Globo.com: clipe de Latino vaza e cantor reclama: "Claro que fico muito chateado por ter vazado antes mesmo da gente ver e conseguir a liberação oficial. Fico impressionado como não conseguimos mais planejar um lançamento nacional, buscar as devidas liberações... Os caras vão lá e colocam tudo nas redes sociais! Um filme que ainda não chegou nos cinemas, uma música, o capítulo da novela e agora meu clipe!", disse. 


Jura que eu preciso comentar mais uma coisa?

Abaixo o vídeo:


terça-feira, outubro 23, 2012

Um pouquinho de bom humor (só faz bem!)

Saudade: Sai de baixo e Toma lá da cá, do Caco Antibes, do Mário Jorge, da Magda e da Bozena, onde foi parar esse tipo de humor, gostoso? Onde? Não aguento mais as Valérias e Janetes do Zorra Total, sem desmerecer o talento dos dois (Thalita & Rodrigo, ótimos!)! Separei um vídeo com a Bozena (Alessandra Maestrini foi um achado da GLOBO! Linda, linda! ), confiram: 

(bom humor é tudo!) :) Vão até o Youtube, vale muito a pena, e a saudade fica. Está enorme!
Fora que você pode rever Adriana Esteves num papel mais doce e muito divertido (♥ a Carms), FOREVER!

Uma palhinha de Salve Jorge

                                A novela estreou ontem - foram 36 pontos de média - razoável - eu não pude ver, mas vou procurar pelo Google e assistir, prometo! e claro, a crítica vem logo logo, aguardem! A seguir o trailer de Salve Jorge! Fica como aperitivo pra quem não viu também, okay (pelo clipe, a novela promete. Tomara!)?

Champanha

          O povo também não dá um descanso, né? Agora estão pegando no pé de Vera Holtz, a Mãe Lucinda de Avenida Brasil. É que a atriz foi entrevistada durante a festa de encerramento da novela, e estava visivelmente alterada. Mas também querem o quê? Era uma festa, comemoração, a pessoa estava alegre... não tem nada demais beber umas a mais, né não? Assistam o vídeo:

Juliana Paes é a mulher mais sexy do mundo, segundo revista


De novo, e no mesmo ano! Juliana Paes foi eleita há dois meses atrás (mais ou menos) a mulher mais sexy do Brasil pela Istoé, pois bem, a morena que encanta os brasileiros todas as noites na Globo venceu a categoria de mais sexy, porém, agora é mundo! da VIP. Gostosa mesmo!

sábado, outubro 20, 2012

A última volta pela Avenida Brasil (O país parou para ver o último capítulo)

Foi ao ar - agora a pouco - o último capítulo de Avenida Brasil, segundo a prévia, foram 51 pontos de média. No minuto a minuto, nos exatos 22:18, a trama conquistava 54,1 contra 2,7 do Sbt e 2,3 da Record, realmente: o Brasil parou para ver o desfecho de Carminha (Adriana Esteves) e de Nina (Débora Falabella). No twitter, não se falou em outra coisa, rolou emoção e muita brincadeira, #Carminhaviroucrente foi simpático, choca talvez! mas mostra que o público entendeu a redenção da grande vilã.
Por muitas vezes foi mencionado aqui, e no dia dezenove de outubro de um ano que muitos pensam ser aquele que dará fim a tudo, Carmen Lúcia entra para a lista dos memoráveis personagens da TV, estará lá, junto a Perpétua (Joana Fomm), Maria de Fátima (Glória Pires), Viúva Porcina (Regina Duarte), entre muitos outros. Merecido!
Adriana Esteves deu margem a endiabrada Carminha, a antológica Carminha, a bem humorada Carminha, a mal humorada Carminha. Adriana Esteves fez de Carminha um ser humano possível. Carminha fez de Adriana Esteves uma atriz sobrenatural. Dá pra imaginar outra Carminha que não a Adriana Esteves? Difícil, né? Dá pra imaginar a Muricy no lugar da Carminha? Mais difícil ainda. Pois é, mas era assim que deveria ter sido. Quando João Emanuel Carneiro escreveu o personagem, ele pensou em Eliane Giardini como a vilã mor. E para interpretá-la, na primeira fase da trama, o autor convidou Fabíula Nascimento, devido à semelhança com Eliane. Porém, como pudemos constatar, tudo mudou e fomos presenteados com o talento de Adriana Esteves no papel central. Melhor, impossível!  Mas para não deixar o "parentesco" entre Eliane e Fabíula passar batido, João Emanuel criou a cena em que Olenka se veste de Muricy pra conquistar Adauto. 
Morte do Max: Todo mundo deu sua cota de pancada no Max, tadinho. Até a Janaína deu uma raladinha no braço do malandro com a faca da Lucinda. Emocionante ao extremo a cena de Carminha tentando convencer o ex-amante. Pesada mesmo foi a pancada que o pobre do Max levou. Espirrou sangue pra tudo que é lado. Produção muito bem feita, é isso que traz emoção à cena. 
Tufão: Murilo Benício em seu melhor momento, bem aquém do já lendário Dodi de A Favorita. Gostei mesmo! Outro no lugar poderia fazer desandar tudo, foi glorioso e as cenas de pai & filho com o Jorginho (Cauã Reymond, sempre mais ou menos) vai ficar para sempre na minha memória.
Nina: a carreira de Débora Falabella pode se dividir em antes de Avenida Brasil e depois de Avenida Brasil. Aliás, todas as novelas podem se dividir dessa forma. Mas Nina é o divisor de águas para Débora, afinal! as mocinhas das novelas são sempre ridicularizadas, Nina era forte! e tinha um montão de defeitos, muitos muitos. 
Mas o último capítulo foi dela, de Adriana Esteves. Carminha teve muitos momentos ternurinha, não teve como não chorar, foi lindo. O reencontro de Nina e Carminha emocionou, contagiou, fez a gente rir, fez a gente entender que o único antídoto contra o ódio é o perdão, era o que o autor queria passar, e claro, conseguiu. Muitas palmas pra toda a produção, em especial a queridíssima Amora Mautner, que eu vi debutar na TV, como atriz, na novela Vamp, 1991. Não deu certo como intérprete, mas que diretora virou essa mulher. Uma vencedora.
Foi minha última passagem pela Avenida Brasil, e estou cá, muito grato a todo mundo que participou dessa obra prima. 

(Já bateu a saudade, ♥)

sexta-feira, outubro 19, 2012

Morre Emanuelle

                 A belíssima Sylvia Kristel, conhecida por ter protagonizado o filme erótico Emmanuelle, de 1974, morreu aos 60 anos, na noite da última quarta-feira (17), após lutar por mais de 10 anos contra um câncer na garganta. A informação foi dada pela agência Features Creative Management, que era responsável pela carreira da atriz. "Ela morreu enquanto dormia", disse Marieke Verharen, representante da atriz, à agência AFP. Depois do sucesso de Emanuelle, a atriz chegou também a protagonizar os longas Emmanuelle 2 (1975), Goodbye Emmanuelle (1977) e Emmanuelle 4 (1984). Ainda na década de 1970, ela enfrentou problemas de dependência de drogas e álcool e, em 2003, descobriu o câncer de garganta. 

15 min.


Não preciso dizer mais nada, pronto! Caso encerrado. Se essa Nicole achou que ia causar, deu certo.  Mas já acabou os seus 15 min. de fama. Pode ir dormir Bahls, até mais.

quinta-feira, outubro 18, 2012

Jornais dão como certo que foi Carminha quem matou Max. Será? Avenida Brasil pode usar de mesmo artifício de Mulheres de Areia, 1993




            Mais uma revelação será feita em Avenida Brasil: Max não morreu só por causa da pancada com a enxada.
No capítulo que vai ao ar sexta-feira, o delegado está com todos os suspeitos de serem os assassinos de Max para uma acareação. É nesta hora que ele revela o resultado do exame que foi feito no corpo do falecido. Além da pancada na cabeça, Max tinha um corte no braço e levou uma coronhada na nuca.
Os diálogos são tensos!
"Então o Max bateu em você, não é, Lúcio? Até você desmaiar. Confere?", pergunta o delegado.
O filho de Janaína confirma. Em seguida, o delegado Zenon mostra a arma que foi usada para dar a primeira pancada em Max.
"Essa arma foi desenterrada no lixão, e tem as impressões digitais da senhora Ivana e da senhora Muricy. Qual das duas deu a coronhada nele? Foi a senhora, dona Ivana?"
" Fui eu sim, seu delegado. Mas eu não matei o Max...", diz Ivana.
Num flashback, Ivana aparece dando a coronhada em Max e Muricy gritando com ela. Depois, Max vai pra cima de Ivana, que sai correndo junto com a mãe.
Depois de ter esclarecido o porquê de Ivana e Muricy terem enterrado a arma, Zenon continua suas revelações dizendo que Maxwel também tinha um corte no braço:
" O que monta com a história da senhorita Nina, que disse que, quando recobrou os sentidos, ele tava com uma faca na mão", diz mostrando uma faca.
"Essa faca foi encontrada na cozinha da dona Lucinda. Ela foi lavada, mas ainda guardava resquícios de sangue, um tipo de sangue raro: 'O' negativo. Basta fazer um exame ."
Nessa hora Janaina se apresenta, mas afirmando que não é ela a assassina.
"Não fui eu que matei o Max! Eu juro!".
O policial, então, conclui:
"Deve ter sido nesse momento que a senhorita Nina recobrou os sentidos, viu o Max com a faca, e achou que ele estava vindo na direção dela. Mas, aparentemente, ele já tava lutando com outra pessoa, que não era a Muricy, a Ivana, a Janaína, nem a dona Lucinda, que a essa altura ainda tava na casa, com as crianças".
E aí, Carminha confessa:
"Era comigo que ele tava lutando".
E mais um flashback entra em cena. Neste, Carminha aparece com um pau na mão, tentando atingir o ex-amante. Ela erra. Nina acorda e vê Max, mas não vê Carminha, que a atinge na cabeça, pega a enxada que estava em sua mão e ameaça Max.
" Acabou pra você, Max!", diz Carminha com a faca na mão.
"Resolveu ser a madrasta boa a essa altura, Carmem Lúcia? Vai defender a Ritinha?", diz Max.
"Para, Max! Ainda dá tempo! Some daqui!"
"Você tá louca, duquesa. Agora a gente vai até o fim! Nem que a gente morra, os dois, aqui. A gente veio do lixo, é nele que a gente vai acabar!"
Max vai pra cima de Carminha, ela pega a enxada da mão de Nina e investe contra ele, que cai morto.
Lucinda só chega no final da briga:
"Max! Meu filho! Ele tá morto! "
"Não teve outro jeito, mãe Lucinda", diz Carminha.
"Eu vi. Sai daqui, foge! Vai embora!", diz a mãe do Lixão.
Na frente do delegado, Carminha diz:
"Eu nunca tinha matado ninguém, mas era ele ou eu. E depois, se eu não parasse o Max, ele ia matar a Nina, e qualquer um que passasse na frente. Ele tava louco".
Nina, ao se dar conta de tudo que aconteceu, sai em defesa da ex-madrasta:
"Foi em legítima defesa, seu delegado. E pra salvar a minha vida. (SE DÁ CONTA, ABISMADA) Que loucura. Você salvou a minha vida duas vezes".
E sem perder a pose, Carminha dá um chega pra lá na cozinheira:
"Não precisa fazer esse tipinho de amiguinha, não, traste! O que tem que fazer agora é tirar a Lucinda da cadeia, que a coitada tá pagando pela segunda vez, por um crime que ela não cometeu".
" Como você pode ver, Maria Antonieta, a minha vida também não foi nada fácil. Tão satisfeitos? Posso me retirar? ", diz Carminha do alto de sua arrogância.
Antes de sair algemada, Tufão agradece a ex-mulher.
Imperdível!!

Lembrei agora: em Mulheres de Areia, 1993, Vanderlei (Paulo Betti) levou um tiro de Raquel (Glória Pires). No julgamento soubemos que ele havia sido morto bem antes do tiro, sendo que a verdadeira assassina ficou sendo a Vilma (Denise Milfont), será que o autor João Emanuel Carneiro vai nos surpreender com uma versão parecida?

Só vou acreditar mesmo que foi a Carminha no último capítulo, e claro, vou comentar tudinho AQUI, vai ser minha última volta pela Avenida Brasil, pelo menos, por enquanto.

E por falar no autor: estragaram mesmo um bom produto: ninguém está vendo Da Cor do Pecado, apenas alguns gatos pingados, a novela, por si só, não merecia isso. Quem é o responsável pelas reprises na Globo? Oh perguntinha que não quer calar, de jeito nenhum. É um sem noção.

E se Chaves fosse Avenida Brasil terminaria desse jeito (:P)


A desforra de Tieta, ops! da Betty Faria

                Betty Faria andou se passando em suas declarações no Twitter. Depois de ter um cheque recusado numa das Casas Bahia do Rio de Janeiro, a atriz resolveu soltar o verbo: "Passando pelas Casa Bahia de Ipanema, resolvi comprar duas TV pequenas. Eles só liberam seu cheque em 10 dias, quando provar que tem dinheiro. Casas Bahia só pra farofeiros! Gerente não aceitou o cheque. Não ando no baixo Ipanema, ao pé da favela, de cartão". Irritadinha, será? E até o prefeito da cidade entrou no rolo da eterna Tieta: "O prefeito que me desculpe, mas não acredito em pacificação de favela. Enquanto existir tráfico e armas. Sou carioca, não ando de cartão. Vou ligar pro banco e saber pra que serve o cheque de bacana que eles dão. Casa Bahia não aceita". Mas cá pros meus botões, será que o tal gerente não confundiu atriz e personagem: em Avenida Brasil, o Cadinho (Alexandre Borges) perdeu tudo e a personagem de Betty, a Pilar, vive numa pindaíba desgraçada - e bebendo muuuiito. Só pode, né não?

De cara limpa. Muito bom!


Por meio do Instagram, a Lady Gaga se mostrou de verdade, sem maquiagem, sem nada. Bonita!

Michel petulante Teló, argh!


                         Michel Teló foi na mídia reclamar que o Ministério da Cultura lhe negou a quantia irrisória de R$ 1,3 milhão, por meio da Lei Rouanet, para documentar suas viagens pela Europa, enquanto ele canta Ai, se eu te pego, no velho mundo. 
A desculpa do loiro é que sua bela música - que não é dele - levou o nome do país para o exterior. E que o Brasil só voltou a ser notícia por causa da "cultura" disseminada por ele... 
Se achou, não?

* Lei Rouanet: é a lei que institui politicas públicas para a cultura nacional, como o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). As diretrizes para a cultura nacional foram estabelecidas nos primeiros artigos, e a base é a promoção, proteção e valorização das expressões culturais nacionais. O grande destaque da Lei Rouanet é a politica de incentivos fiscais que possibilita às empresas (pessoas jurídicas) e cidadãos (pessoa física) aplicarem uma parte do IR (Imposto de Renda) devido em ações culturais.

terça-feira, outubro 16, 2012

Adriana Esteves (Carminha) que não nos ouça, mas Juca de Oliveira tomou a novela para si nos momentos finais de Avenida Brasil

                    Tenho que dar a mão a palmatória, JUCA DE OLIVEIRA me convenceu nos últimos capítulos de Avenida Brasil que o Albieri é mesmo coisa do passado, foi enterrado junto às areias do deserto do Marrocos e com o Léo (Murilo Benício), o Tufão de agora! O que é o Santiago minha gente? É a encarnação do tinhoso, DEUS do céu, peguei raiva do vilão! e ao mesmo tempo me curvo a tanto talento.
Juca, simplesmente, deu um novo gás a já explosiva trama das nove, juro que às vezes penso se tratar de uma nova novela, não para de acontecer coisas, é bomba atrás de bomba, no sentido bom da coisa. Melhor novela dos últimos tempos, ou de todos mesmo. Cada capítulo traz novas emoções. Será que vai ser assim até sexta? Pois bem, no capítulo desta terça-feira haverá mais uma morte. Nilo (José de Abreu, já elogiado por aqui) será assassinado pelo VELHO DO MAL.
Nilo, que vive sempre bem informado, vai até a casa de Santiago para tentar tirar proveito das informações que tem. Ele ameaça contar aos quatro ventos o que sabe sobre a morte de Virgínia, a mãe de Carminha (Adriana Esteves). "Eu podia ter acabado com a tua raça, Santiaguinho do pau oco! Podia ter contado que tu matou a coitadinha da Virgínia, a própria mulher, e fez a coitada da Lucinda (Vera Holtz) ficar mofando na cadeia no teu lugar por um crime que ela acha que cometeu. Do mesmo jeito que você contou pra ela que fui eu que sequestrei a Carminha quando ela era garota. Que é que a bundona da Lucinda ia dizer, se soubesse que foi você quem jogou a Carminha lá no lixão, que nem um trapo velho?", diz.
Nilo ainda acusa Carminha e Santiago de serem os responsáveis pela morte de Max, já que viu os dois no lixão no dia do crime. É aí que o velho pai de Carminha tem certeza de que o barbudo não pode mais continuar livre, leve e solto por aí. Santiago pega uma garrafa de uísque, coloca veneno e vai até o lixão presentear Nilo. O bêbado fica todo feliz com o presente de grego. "Tô que nem pinto no lixo! Riririri! Nunca tomei um uísque tão bom na minha vida! Já bateu!". Em pouco tempo, Nilo já começa a agonizar nos braços de Nina (Debora Falabella). Mas antes ele revela o que sabe: "A Lucinda era cega por aquele babaca. Ela pensa que foi ela. Ele fez ela pensar que foi ela que atirou na Virgínia. Ela atirou, mas o tiro dela não pegou. A bala que matou a mãe da Carminha veio do Santiago! Ele matou a Virgínia! Esse coxo é um assassino! Me ajuda, Nina, me ajuda... A Lucinda nunca matou ninguém. Salva ela, Nina, salva a minha Lucinda!", pede Nilo, que morre em seguida.

E aguenta coração! Bravo Juca de Oliveira, e a menção é sem atraso, visto que o ator começou mesmo a escrever sua história no folhetim nos momentos finais. Palmas!

Sobre o título, é uma grande homenagem ao ator ok? Carminha (Adriana Esteves) ainda continua soberana. Linda!

Ninguém salva a previsível história de Guerra dos Sexos, nem a fantástica Glória Pires. Aliás, só continuo assistindo a novela por ela, e só!

                      Apostei todas as minhas fichas em Guerra dos Sexos, a nova novela das sete da Globo, todas! ESCUTAVA POR TUDO QUE ERA CANTO QUE VINHA POR AÍ a melhor novela de Silvio de Abreu, e como eu sempre fui um grande admirador do autor, esperei ansioso. Logo, descobri que a Glória Pires seria uma das protagonistas. Pronto, a taquicardia anunciava: - Se prepara para muitas emoções. Levei aquele tombo. Eu não assisti a primeira versão, mas vi Rainha da Sucata (1990), A Próxima Vítima (1995), Torre de Babel (1998) e Belíssima (2005). Gostei de todas elas! Em especial a novela da Ana (Susana Vieira) e do Marcelo (José Wilker), adoro suspense, gosto dessa coisa de detetive e a trama de 1995 apostou alto numa história cheia de nuances e mistério. Ligar o Horóscopo Chinês a uma sucessão de crimes foi genial.
Considero Guerra dos Sexos pior que Deus nos Acuda, dele também. Amo a Gloria Pires. Não há atriz mais perfeita neste mundo. E sua Roberta Leone está divinamente interpretada, mas não sei se por culpa do autor, ou do Jorginho Fernando, a direção está exagerada, Jorge tem disso, uma pena! Ou mesmo, a história está realmente estagnada, como muitos estão afirmando, continua lá em 1983, não convence mais. Okay! a listagem está perfeita, a culpa vai mesmo sobre os dois, autor e diretor, Silvio por não ter tido a ousadia de transcrever sua história a realidade de 2012, Jorge por abusar dos efeitos ridículos e infantilizados.
Hoje em dia, graças a Deus, o MACHO ALFA chegar e dizer "Lugar de mulher é na cozinha, pilotando o fogão" beira tanto o ridículo, que os outros machos vão rir da SUA cara (DELE!), ou fica só uma situação engraçada, onde o PRÓPRIO já procura amenizar o que foi dito: "DESCULPA AMOR, hihihi", meio que sem graça. Vai dizer que não é assim? A mulher tomou a dianteira. Trabalha fora e em casa, cuida dos filhos e ainda encontra tempo para seu maridinho, e o faz sem reclamar, ou reclama. Mas faz! E o homem sabe de tudo isso e respeita.
Não vou exagerar, Guerra dos Sexos, apesar de ter me decepcionado, a comédia pastelão inaugurada por ela é por demais cansativa em pleno 2012, já nos basta as tramas do Walcyr Carrasco, tem lá sua graça. Fica impossível não se render a Glória Pires, talento é talento, Tony Ramos, Irene Ravache, Edson Celulari, gosto muito do Reynaldo Gianecchini, a Mariana Ximenes é espetacular, me divirto com a Drica Moraes e a Débora Olivieri, mas nenhum deles salva o marasmo, ou digo, a previsível história da nova Guerra dos Sexos. Uma pena! 
Vou continuar assistindo sim, meio que esporadicamente, mas ligado no enredo, muito também porque tudo que tem a Glória (de novo ela!) me interessa, é mais por ela mesmo, vou ter que confessar, mas torço para que o folhetim dê uma guinada, esqueça o passado e crie sua própria identidade, ou seja, em poucas palavras, me pegue de jeito e me faça adorá-la assim como Cheias de Charme fez, todavia! comparar a essa altura do campeonato Guerra dos Sexos com Cheias de Charme é chover no molhado, é ser impiedoso demais com Silvio de Abreu, e dele eu gosto muito, mesmo!

sexta-feira, outubro 12, 2012

Criança feliz, quebrou o nariz, foi pro hospital... continue a música (se ainda lembrar, claro)

        Doze de outubro, dia de N. Senhora Aparecida, a padroeira do Brasil, uma Ave-Maria para todos nós, mesmo quem não acredita, confie! ou ao menos, respeite! ou qualquer for sua crença, tenhamos sempre pensamentos positivos, sempre. Comemora-se também o dia das crianças. É tão bom, bom, bom, bom, bom estar contigo na televisão, já cantavam as paquitas, há muitos anos atrás, e essa mesma TV hoje já não oferece bons programas aos baixinhos da Xuxa, observação, falo da TV ABERTA ok? 
Cartoon Network, ok, ela já foi melhor, Nickelodeon, agora o Gloob, a Disney, tem muita coisa boa, Rá-tim-bum! Tom continua correndo atrás do Jerry, e se estrepando, coitadinho! O Pernalonga deu uma sumida do SBT, mas o bordão 'o que que há velhinho?' ainda é um dos mais lembrados por todos, Mickey, Donald e Pateta! Thundercats, He-man, She-ra, Caverna do Dragão. 
Os Smurfs ganharam as telas, Sherek continua sendo um caso único de sucesso no cinema e muita gente ainda se emociona com A Era do Gelo. Dos Monstros S.A ao Mistério da Feiurinha, o que vale é a intenção de levar coisa boa para os pequenos. Uma pena que o Brasil ainda não percebeu isso, ou melhor, pena que tenha esquecido disso.
Xuxa voltou a ser loira por eles, Mara Maravilha e Mariane, lembram? O palhaço Bozo ensaia uma volta e a Globo insiste nos programas femininos, juram que são só elas que assistem TV. Pode isso? Pode não meu Deus!
Feliz dia das crianças e da N. Senhora não esqueçam, rezem , orem! E acreditem num futuro melhor. P.S.: ninguém está aqui para catequizar ninguém, tá? Não mesmo! Mas que ela abençoe a todos, de coração!

... tomar sonrisal. Se eu fosse o Pelé tomava café, se eu fosse o Tostão baixava o calção, se eu fosse Jair fazia xixi, se eu fosse o Clodô fazia cocô".
Alguém tem uma outra versão dessa música? Sei que são várias.

Entre aspas: Furo MTV conta como vai ser a nova novela das nove, Salve Jorge, de Glória Perez. Assistam:


Horror Movie: cenas fortes e muito mistério marcam a morte de Max

                 Max (Marcello Novaes) foi ao extremo, aliás, aos extremos. O cara ameaçou, gritou, xingou e ainda conseguiu chorar de remorso por não ter criado Jorginho (Cauã Reymond). Juro que fiquei com muita pena dele. Que show de interpretação. É difícil até de descrever. O Max colocou fogo na casa da Mãe Lucinda (Vera Holtz) literalmente… Foi babado, confusão e gritaria! O Brasil ficou tenso com as cenas! Todos gritando!!! Fiquei tenso assistindo!! Max foi brutalmente assassinado com uma enxada (assim pareceu), e a tola da Nina (Debora Falabella), que levou duas bordoadas na cabeça, ainda vai se achar capaz do feito. Em quem você apostas suas fichas?
Será que foi a Nina? Não, né! Claro que não. Ninguém dali senão o Albieri, ops! Santiago (Juca de Oliveira) teria competência para cometer o crime. Mas teria graça isso não. Portanto, estou me convencendo que foi a Janaína (Cláudia Missura) ou a Ivana (Letícia Isnard). Complicado né? Ok! Vou jogar na empregada da família de Tufão (Murilo Benício). Foi ela!
Tenso, tenso, muito tenso! Apesar de estar adorando as chamadas de Salve Jorge, a nova novela das nove, como ficaremos depois do dia 19 deste mês, dia do último capítulo de uma das melhores novelas que a Globo já produziu, vai deixar muita saudade a novela da Carminha (Adriana Esteves). Muita mesmo!
Na cena final do capítulo 172, Nina e Max se confrontam seguidas vezes, ele com um revólver e ela com uma enxada, até a órfã se recuperar e se deparar com o pilantra morto no chão. Não fica claro, no entanto, quem foi o autor do assassinato e nem qual foi a arma utilizada no crime. Eletrizante, Avenida Brasil lembra os melhores filmes de ação produzidos por Hollywood, e o faz com maestria. Arrepiado!

Não viu, assista a cena aqui.


Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : Eu não vou narrar a novela : E ESSA MINHA VONTADE É CULPA DE QUEM ?

Da Rrrrita. 

Eu amo tudo nessa novela, fica difícil não comentar.



quinta-feira, outubro 11, 2012

Ex-BBB se irrita com comentários homofóbicos sobre seu filho


                Maíra Cardi, ex-BBB, postou uma foto do filho de nove anos dormindo, na terça-feira. Veja a foto aqui. Até aí, sem problema nenhum. Só que o garoto estava em uma cama com grades, daquelas que parecem berço. Um sem noção de um seguidor da criatura, disse que porque o garoto dormia numa cama com grade seria homossexual! Foi o estopim de uma grande polêmica. Mas a ex-BBB não deixou barato e respondeu à altura:   
"Mas se ele fosse, eu o amaria da mesma forma e teria muito orgulho também! O que jamais aconteceria se eu tivesse um filho sem educação e preconceituoso como você!", respondeu. Boa! Melhor resposta não teria.

quarta-feira, outubro 10, 2012

O pulmão de Avenida Brasil é a Carminha!

                           Carminha carregou a novela nas costas. Tudo girou em torno das mentiras e vilanias da loiraça. Foi a mais engraçada, malvada, falsa, esperta, ardilosa. Enfim, a megera esteve sempre no centro da história e conseguiu conquistar o público com sua criatividade, cinismo e capacidade de sair de situações embaraçosas. A personagem foi defendida com unhas e dentes pela talentosa Adriana Esteves, em seu melhor momento na TV, e olha que na lista da atriz consta inúmeros sucessos, O Cravo e a Rosa, Toma lá da cá, Torre de Babel e Kubanacan, só para citar alguns. Mas por que Carminha é assim? Eis a pergunta que não quer calar!  João Emanuel Carneiro trouxe essa discussão aos nossos lares, ela age de maneira egocêntrica em suas relações, ignorando qualquer regra social e prioriza sempre os seus próprios desejos e ganhos. Outro ponto em que complica ainda mais a pérfida das nove é seu desamor pela filha Ágatha (Ana Karolina Lannes), de cortar o coração.
Carminha foi abandonada no lixão pelo próprio pai, Santiago (Juca de Oliveira, para sempre o Albieri de O Clone, marcou!), que pode se revelar o grande vilão da novela nos próximos capítulos. É o verdadeiro assassino da mãe da vilã. Além disso, ele também a prostituía. E parte ainda não revelada da novela pode e vai, claro, explicar muitos dos atos de Carminha. Mãe Lucinda já deu a deixa de que a vilã foi injustiçada no passado. Que segredo é esse? Mas mesmo com uma história cheia de exemplos ruins, justificar as atitudes da personagem, analisando a infância sofrida, é engessar as possibilidades que o sujeito tem de ser o protagonista de sua própria história. Né não?
Carminha é vítima ou vilã? A felicidade é algo pelo qual devemos batalhar para conquistar e se, como diz o mais chavão dos ditados, no amor e na guerra vale tudo, então, Carminha lutou com as armas que a vida lhe impôs, para merecer, sim, ser feliz. Ao modo dela, mas feliz. Carminha é uma personagem que deixa esse tipo de sentimento nas pessoas, por ora ela deve pagar sim, por tudo que ela fez! Por ora a gente se compadece. Nada foi fácil em sua vida. E tem horas que ela dá a entender que nutre amor pelas pessoas, foi visto isso com o filho Jorginho (Cauã Reymond) e com o amante Max (Marcello Novaes). 
Ela tem cura? Isso depende só dela, de mais ninguém, o que ela precisa é repensar a sua história e abrir o leque de possibilidades para dar um outro destino às suas escolhas. Tendo em vista tudo que ela aprontou, sabemos e podemos apontá-la como vilã, e das piores, mas ao contrário das muitas outras grandes e deliciosas bruxas das novelas, em Carminha sobra motivos para ela ter se tornado tão fria e perigosa. Mas não sei se isso a salva do pior, e nem deveria! ela tem que ser castigada sim, contudo, Nina (Débora Falabella) também deveria pagar pelo que fez, afinal, antes de posar de santinha (agora na reta final ela está um anjinho), não consigo esquecer do ódio que ela nutria a ponto de deixá-la cega. Nina não percebia nada e nem ninguém a sua volta, estava tomada por esse sentimento tão medíocre e não media esforços para destruir a madrasta, mesmo que respingasse em inocentes, como tanto aconteceu.

Tufão agora tem internet


             Murilo Benício encarnou o Tufão na propaganda de uma empresa de telefonia móvel. No vídeo, o ex-jogador diz:

"Eu passei os últimos meses sendo o último a saber das coisas. O Brasil inteiro sabia. Estava tudo embaixo do meu nariz e eu nem desconfiava. Acabei arrumando coisa pra minha cabeça. Enquanto o pessoal tava lá por dentro, eu ficava fazendo cara de bobo. Mas agora não tem mais essa não. Tô na internet, todo dia, toda hora".

Depois alguém manda um torpedo pra ele com as fotos da Carminha e do Max, e Tufão diz:

"Hunf. Essas fotos aqui eu já vi".

Boa sacada!

terça-feira, outubro 09, 2012

Capítulo em que Carminha (Adriana Esteves) é desmascarada chega a 52 pontos de audiência

                Ela passou a novela inteira enganando a Família Tufão (Murilo Benício), comeu o pão que o Diabo amassou nas mãos da Rrrita (Débora Falabella), suas expressões de raiva são demoníacas, Carminha (Adriana Esteves) precisa de uma sessão de descarrego sim! É você, Satanás? A vilã-mor de Avenida Brasil levou boas bordoadas do marido corno, da velha coroca e da cangaceira. Merecia bem mais! E o Brasil parou para ver a derrocada de Carmen Lúcia. Foram 49 pontos de média com picos de 52. Uma marca sensacional pra um capítulo primoroso. 
E pra quem pensa que foi só Adriana Esteves que brilhou, engana-se. A novela é da Carminha sim senhor! Mas além da atuação calorosa da loiraça das nove, quem não se emocionou com Murilo Benício declarando seu amor para Cauã Reymond? Calma!! Todo mundo sabe que estou falando da relação dos personagens, Pai & Filho numa cena em que foi impossível não conter as lágrimas. Parabéns aos dois, foi tudo excelente, Murilo como Tufão foi genial, foi bobo na medida certa, correto na medida certa, sensível na medida certa. Palmas!
Uma pena Débora Falabella ter adoecido, merecia ela estar brilhando junto. Mas a atriz deixou sua marca assim mesmo, ao longo dos quase oito meses do folhetim. Nina foi uma personagem que me deu muita raiva, sou totalmente contra essas paradas de vingança, é o mesmo que se rebaixar ao nível de quem já faz o mal. Mas Débora foi crível, Nina ou Rita foi criada a minúcias, detalhes que se perceberam a cada cena, foi perfeita.
A dor de Muricy e Ivana (Eliane Giardini e Letícia Isnard) só não foi maior que a de Adauto (Juliano Cazarré). Chorei junto! A próxima pérola de Adauto é de uma criatividade estupenda, o moço subirá no telhado do clube do Divino e ficará chorando as pitangas, ao lado da caixa d'água, com toda a plateia já conhecida do bairro. Quando Muricy for tentar resgatá-lo, o gari estará comendo as fotografias da amada. Pra quê? O próprio Adauto responde: é para ter um pouco da Muricy dentro dele, pois já que vai morrer, quer ser enterrado junto com ela. Já sem paciência, Muricy pergunta se Adauto se suicidará pulando dentro da caixa d'água. Mas o rapaz é muito mais esperto e explica seu plano infalível: "Não, eu vou beber essa caixa d'água inteirinha até eu morrer afogado, estufado que nem um baiacu!". Imperdível!
Se achei o capítulo de sábado formidável, o que dizer deste de segunda-feira? Sem palavras para exaltar todo o talento de João Emanuel Carneiro. Resta apenas se curvar ao novo Rei das telenovelas no Brasil e curtir mais um capítulo eletrizante hoje à noite.