BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

segunda-feira, novembro 30, 2009

Angelina Jolie mentiu sobre Jennifer Aniston para limpar sua imagem, diz livro


Angelina Jolie vazou histórias sobre sua rival Jennifer Aniston para se fazer parecer menos má quando "roubou" Brad Pitt, afirma livro que acaba de sair, intitulado "Brangelina: The Untold Story of Brad Pitt and Angelina Jolie".

Um pouco depois de Brad Pitt deixar Aniston pela colega de elenco de "Sr e Sra Smith", apareceu na imprensa boatos de que a separação se deu porque ela não queria ter filhos. No livro, o jornalista Ian Halperin diz que a fonte disso foi a própria Angelina, que queria minimizar os estragos à sua imagem.

"Foi Angelina que veio com toda essa história sobre Jennifer não querer ter filhos. Ela estava convencida que essa história iria ressoar em todas as mulheres que a viam como uma ladra de maridos", disse uma fonte da 20th Century Fox (produtora de Sr e Sra Smith) ao autor. 


O fenômeno Susan Boyle

Revelada ao mundo depois de sua participação no programa de talentos britânico Britain's Got Talent, em abril, a cantora Susan Boyle, 48 anos, está dominando os Estados Unidos e o mundo. Depois de seu primeiro CD, I Dreamed a Dream, bater o recorde de pré-vendas do site Amazon, com 130 mil cópias comercializadas na Grã Bretanha em um único dia, a estimativa é que as vendas alcancem o número de 400 mil cópias por semana com o disco finalmente nas lojas. Nada mal para uma solteirona que até junho morava com seu gato, Peebles, em um vilarejo da Escócia.

Para ver o vídeo, clique aqui.

quinta-feira, novembro 26, 2009

Exclusivo: algumas curiosidades dos Simpsons

Historia básica de Os Simpsons
 Os Simpsons é uma série animada de TV produzida pela Gracie Films para a Twentieth Century Fox e a Fox Network. Começou como uma série de vinhetas para o "Tracey Ullman Show" em 19 de abril de 1987, e estreou como série em 17 de dezembro de 1989, no horário nobre, às 8 da noite. A série foi exibida regularmente aos domingos a partir de 14 de janeiro de 1990. As temporadas Dois, Três, Quatro e Cinco foram exibidas pela Fox às quintas-feiras, também no horário de 8 da noite, antes de retornar aos domingos, a partir da Temporada Seis. Por um curto período de tempo, Classic Simpsons foi exibido, às 7 da noite, numa extinta programação de comédia programada para o inverno de 1995. As Temporadas Um, Dois e Três foram animadas pela Klasky-Csupo (pronuncia-se "CLASQUI CHUPO"), que também animou as vinhetas de Tracey Ullman. As temporadas seguintes foram animadas pela Film Roman, em parceria com os estúdios de animação Akom Production Company, Anivision, e Rough Draft Studios na Coréia. A família Simpson foi criada em cerca de 15 minutos por Matt Groening enquanto este esperava na recepção do escritório de James L. Brooks, uma história confirmada pelo próprio Groening em uma entrevista à Oprah Winfrey. A produção de Os Simpsons como uma série começou em abril de 1989. A História de Os Simpsons no "Tracey Ullman Show" Foi por uma sugestão de Pauly Platt, fã de "Life in Hell" nos bastidores do "Tracey Ullman Show", que Matt Groening começou a trabalhar com Ullman. De acordo com o Produtor/Diretor David Silverman, a produção das vinhetas de Ullman levava aproximadamente quatro semanas para ficarem prontas. Atualmente, a produção leva aproximadamente seis meses para um episódio de Os Simpsons. Os quatro animadores de todas as vinhetas de Ullman (David, Wesley Archer, Bill Kopp, Tim Berglind) se juntaram trabalhando em um filme de 1986, One Crazy Summer e seus segmentos animados, antes de terem a oportunidade de animar as vinhetas de Ullman com a então relativamente nova companhia de animação Klasky-Csupo. 


Gafe na Band


Números mostram que a Globo está terminando a década mais líder do que começou



Por Gustavo Hofmann
Com o desenvolvimento da globalização – valendo destacar, no caso, o “buum” da internet – nos últimos anos, os televisores brasileiros perderam quantidade significativa de telespectadores. A internet, um dos grandes símbolos dessa era tecnológica, foi a grande vilã dessa hisória e, sem dúvida alguma, quem mais roubou audiência das emissoras de televisão. A Rede Globo – um dos maiores canais do mundo -, por exemplo, sofreu com essa mudança social. Perdeu quantidade bastante considerável do seu público e, com isso, viu sua elevada audiência despencar.
Nos últimos 10 anos – generalizando e exagerando para uma perda maior do que a real -, a emissora da família Marinho perdeu cerca de 10 pontos de audiência. Seu horário nobre, que costumava marcar 50 pontos de média, hoje não passa dos 40. O JN, que dava mais ou menos 40 de média, hoje dá 30. A Grande Família, que antes chegava perto dos 40, hoje chega perto dos 30. Indiscutivelmente essa “perda de 10 pontos” (sendo que em alguns casos essa perda foi ainda mais elevada) foi bastante expressiva. Mas estaria então a Globo caminhando rumo à perda de sua soberania televisiva? A TV Globo foi, certamente, a emissora que mais perdeu pontos de Ibope. Pontos absolutos, no entanto.
Façamos uma situação hipotética. Há duas emissoras. Uma delas marcava 50 pontos de audiência – e viu seus números reduzirem para 40. A outra marcava 5 e viu seus números reduzirem para 4. Afinal, quem teve a perda maior? Inicialmente a mais gritante é a de 10 pontos. Perder 10 pontos, afinal, chama muito mais atenção do que perder somente um. É, de fato, uma perda de muitos mais telespectadores.
Todavia, analisando proporcionalmente, tanto a emissora dos 50 pontos quanto a dos 5 perderam 20% do Ibope. Em números proporcionais – os levados em conta pelos principais órgãos de pesquisa do planeta – a perda foi absolutamente igual. Se fossemos levar em conta de forma mais séria os números absolutos, por exemplo, a emissora dos 5 pontos iria simplesmente desaparecer, pois obviamente não “suportaria” uma perda de 10 pontos. Por esse e outros motivos, os números proporcionais são infinitamente mais importantes do que os absolutos. E, no caso da TV brasileira, os números absolutos e sobretudo proporcionais comprovam que, muito pelo contrário do que afirmam os falaciosos tablóides sensacionalistas espalhados por aí, a Rede Globo vai terminar a década mais líder do que começou. Analisemos alguns números:
No fim de 2003, a média da novela Celebridade era de 44 pontos. JN e A Grande Família registravam 37. Mas, para agradar a vontade dos “inimigos globais”, podemos “arredondar” essas audiências pra cima, pra que, dessa forma, a queda do Ibope Globo seja maior. Finjamos então que Celebridade desse 50 pontos de média; JN e A Grande Família 40. Repetindo, antes que alguém venha reclamar: isso faria com que a QUEDA da Globo fosse maior.
Olhemos agora para as maiores audiências do concorrente da Globo na mesma época. Os programas de maior audiência eram “Domingo Legal” (com 23 pontos), Todos Contra Um (com 19) e Tela de Sucessos (com 18). Ainda nessa época, os programas de maior sucesso da terceira colocada eram o futebol da Série B (com 15 pontos), Turma do Gueto (com 9) e Tela Máxima (com 8).
Analisando hoje os números, percebemos que a audiência da atual segunda colocada é consideravelmente menor do que a da segunda colocada na época. Arredondando bastante pra cima (vejam bem, PRA CIMA) – a fim de tornar a queda menor -, as maiores audiências da segunda colocada seriam A Fazenda, com 15 pontos (estamos sendo generosos, hehe) e outros dois programas com 11. Na atual terceira colocada as maiores audiências estariam entre 8 e 11 pontos.
Na Globo, líder de audiência, as novelas do horário nobre caíram, generalizando uma queda maior, de 50 para 40 pontos (queda de 20%).A Grande Família e Jornal Nacional caíram de 40 pra 30 (queda de 25%). Em média, os programas mais visto da TV Globo – numa estimativa que aumenta essa queda – caíram cerca de 23,3%. Enquanto isso, analisando as mais elevadas audiências do segundo e do terceiro colocado (sem levar em consideração a emissora que o representa), temos os seguintes números:
* O programa mais visto do segundo colocado antes registrava 23 pontos. Hoje registra 15 (numa hipótese otimista). Queda de cerca de 35%.
* O segundo programa mais visto registrava 19 pontos. Hoje registra 11. Queda de 42%. O terceiro programa mais visto registrava 18 pontos. Hoje registra 11. Queda média da maior concorrência: 40%.
* Utilizando o mesmo método, a atual terceira colocada – em relação à da época – caiu 16%
* Considerado a queda dos programas mais vistos da terceira e da segunda colocadas, a concorrência da Globo caiu cerca de 28%, enquanto a Globo caiu 23% – e isso, vejam bem, aumentando a queda da Globo e diminuindo a da concorrência.
Em suma, esses dados deixam claro que, embora a Record de fato tenha crescido nos últimos anos, a concorrência contra a Globo, na realidade, diminuiu – e só não diminuiu mais porque a terceira colocada não está muito distante da segunda.
A Record pode merecer muitos elogios, apresentar muitos programas de qualidade e comemorar seu crescimento. No entanto, ainda vai ter que comer muito arroz-com-feijão e dizer muitos “boas noites” caso um dia realmente queira bater a Globo – ou mesmo causar o mesmo impacto que a concorrência (no caso, o SBT) já causou. Por enquanto, contudo, ainda terão que se contentar com a realidade: A Globo terminará a década mais líder do que começou – e os números não deixam dúvidas em relação à isso. Simplesmente não adianta espernear ou chorar. Por enquanto, tudo não passa de sonho – com inúmeros problemas e várias frustrações. Talvez comemorar menos antes da hora e trabalhar com mais seriedade façam bem para uma TV que sonha com a liderança, mas ainda está à léguas de realmente ser de primeira.




segunda-feira, novembro 23, 2009

'Meu Primeiro Amor'



A atriz Anna Chlumsky já era veterana quando viveu a namoradinha de Macaulay Culkin em Meu Primeiro Amor, de 1991. Desde os 10 meses ela fotografava e fazia comerciais de TV. Em 1992, foi indicada a melhor revelação e melhor dupla (com Culkin) no MTV Awards. Ganhou o prêmio de melhor beijo no mesmo festival. Mas, como acontece com a maioria dos astros mirins, o sucesso precoce acabou sendo um fardo.

 Relembre o beijo de Anna e Macaulay Culkin em "Meu  Primeiro Amor"

domingo, novembro 22, 2009

Como Surgiu o Chapolin?



Em 1970, Chespirito apresentava um programa semanal na TV TIM, quando teve a idéia de interpretar um Super-Herói. Um Herói sim, mas um héroi humano. Um personagem que fosse um exemplo para as crianças e que não tivesse nenhum super poder, que lutasse contra uma grande variedade de inimigos e contra seu próprio medo. Assim nasceu o Chapolin. Para o uniforme, Chespirito tinha 4 cores: Preto, Branco, Azul e Vermelho. O Preto simbolizava a morte, e logo foi descartado. O Branco se associaria a algumas religiões, e também caiu fora. Sobraram o Azul e o Vermelho. Como o primeiro atrapalharia o efeito "Cromakey" como por exemplo quando o Chapolin aparecesse em uma nave de papel pelo Espaço Sideral, o jeito foi se virar com o Vermelho. Assim também se juntou ao nome "Chapulín" o "Colorado" pela cor do uniforme. Nos primeiros episódios a falta de estrutura da pequena emissora local em que era exibido era mais que evidente. Poucos atores participavam, entre eles se destacavam Ramón Valdez e Maria Antonieta de las Nieves, que já trabalhavam no programa de Chespirito desde 1968. Os capítulos tinham em média 10 minutos de duração, ainda dentro do Programa "Chespirito". Lá surgiram, ainda como figurantes, Florinda Meza e Carlos Villagrán.
Em 1973 Chespirito se mudou para a recém formada Rede da Televisa. Com o fim do canal TV TIM foi decidido que em lugar de um grande Programa Semanal, Chespirito produziria "El Chavo del Ocho" e "El Chapulín Colorado" em dois programas de 45 minutos cada, com 2 episódios em cada programa. E o nosso Chapolin foi também o escolhido para abrigar quadros tradicionais, como o Dr.Chapatim que sem lugar na Programação acabou aparecendo ocasionalmente no programa do vermelhinho, em sketchs de 10 minutos. Até 1975 foi a chamada fase das Grandes Aventuras, em que Chapolin enfrentou desde ladrões comuns até mafiosos e bandidos do Velho Oeste. Aí surgiram seus grandes inimigos, como Racha Cuca, Tripa Seca e o malvado Pirata Alma Negra. Em 1978, pouco antes da saída de Carlos Villagrán, Chapolin passou a atuar mais como um contador de histórias, contando e as vezes participando de grandes épicos do cinema e da literatura mundial. Em 79 já sem Villagrán e de Ramon Valdez a série passa a ser formada por remakes de episódios das primeiras temporadas.

Nos anos 80 e começo dos 90, Chespirito resolveu reviver um de seus mais famosos personagens. Junto com seus velhos companheiros de atuação fez diversos remakes de episódios clássicos do vermelhinho, além de produzir novas histórias. A série só foi acabar definitivamente em 92, três anos antes do final do semanal de Roberto Gomez Bolaños. Mas o Chapolin, o maior super herói da América Latina permanecerá para sempre vivo na memória de seus fãs, que assistem a suas reprises e se divertem com suas piadas. Então Chapolin, sou eu quem digo: "Não contavam com a sua astúcia !!!".



 

sábado, novembro 21, 2009

Johnny Depp sai bêbado de festa. Confira vídeo

Johnny Depp saiu de uma balada na quarta-feira e teve que ser carregado por causa da bebida. Mas o ator tem motivos pra comemorar. Além de ser o gato do ano, assinou na terça-feira contrato para fazer o próximo Piratas do Caribe, no qual vai faturar 21 milhões de dólares.

sexta-feira, novembro 20, 2009

Making of de Cleo Pires para a Trip

Exclusivo! Cléo Pires na revista Trip. Making Of.

quinta-feira, novembro 19, 2009

Confira a primeira foto de Flávia Alessandra para a 'Playboy'

Exclusivo: Flavia Alessandra, atriz de Caras & Bocas em seu segundo ensaio para a revista.

quarta-feira, novembro 18, 2009

Questão de estilo


Wanessa, a filha do sertanejo Zezé Di Camargo, está, além de cada dia mais loira, mais ousada. Tanta modernidade e ousadia levaram a cantora a uma espécie de ambiente paralelo, no qual ela se acha a mistura perfeita da Madonna com a Rihanna. Está, no mínimo, esquisita


terça-feira, novembro 17, 2009

A biografia da Chiquinha

Maria Antonieta de las Nieve é um ícone da televisão mexicana. Isso graças ao grande êxito que obteve interpretando a personagem Chiquinha, no humorístico Chaves.
Maria Antonieta de las Nieve, nasceu no dia 22 de dezembro do ano de 1950, em Nayarit, México.
Iniciou-se no meio artístico muito cedo, aos 6 anos. Recebeu seu primeiro prêmio quando tinha 8 anos de idade, quando fazia a novela "La Leona". Maria interpretava uma menina má. Dois anos depois, mais um prêmio: atriz dramática infantil.
Começou a trabalhar ao lado de Roberto Gómez Bolaños "Chespirito", quando este procurava uma mulher jovem e baixa para uma comédia local. Quando Chespirito falou com Antonieta sobre a proposta, ela disse que não era atriz cômica e sim dramática, nada mais. Chespirito replicou dizendo: "Então não é uma boa atriz. Não há atores dramáticos ou cômicos. Há atores". Essas palavras fizeram Maria refletir, e aceitar a proposta.
O primeiro trabalho ao lado de Roberto Bolaños, foi no programa "Los Super Genios de la Mesa Cuadrada", em 1969. Nessa época, Maria Antonieta tinha apenas 18 para 19 anos.
Seu grande trabalho viria dois anos depois, quando ela começaria a interpretar, no seriado Chaves, a personagem Chiquinha - a personagem que viria também a consagrá-la a nível mundial.




No ano de 1974, Antonieta de las Nieve teve de se ausentar das gravações das séries por estar grávida. No seriado Chaves foi dada a desculpa de que a personagem Chiquinha havia ido morar na casa das suas tias do interior. No ano seguinte, a atriz regressa ao elenco comandado por Chespirito. 

Maria Antonieta se casou por volta de 1972, com Gabriel Fernandez, requisitado produtor de televisão mexicana. Ele era quem locutava a abertura do seriado Chaves, dizendo: "Este é o programa número um da televisão humorística".

Chaves deixou de ser gravado definitivamente em 1993. E, no ano de 1994, Maria passou a fazer uma série, onde ela seguiu interpretando a personagem Chiquinha. O programa se chamou "Aqui esta la Chilindrina". Fazia parte do elenco o seu marido Gabriel Fernandez e a sua filha adotiva, Verónica Gómez Fernandez, a série era produzida por Ruben Aguirre (Professor Girafales). O programa teve apenas 17 episódios, mas, mesmo assim, foi reprisado durante cinco anos. Segundo Maria Antonieta, o seriado teve poucos episódios gravados porque Roberto Gómez Bolaños não deixou prosseguir com o programa. No entanto, ela notou que o registro da personagem não havia sido renovado por Chespirito desde 1982. Então, ela registrou em 1995 a personagem em seu nome.
O sucesso do seu programa lhe rendeu um filme chamado "La Chilindrina en Apuros", além de gravar nove CDs, voltados para o público infantil.
Em 2001, Maria ganhou sua primeira neta.
No ano de 2002, Maria Antonieta de las Nieve sofre um pré-infarto. Poucas semanas depois, já estava bem.


Assim como a maioria de seus ex-companheiros, Maria também era proprietária de um circo, onde se apresentava por toda a américa latina e EUA. Mas, no mês de julho de 2003 ela despediu-se da carreira circense na cidade de Toluca, no México.



A biografia da Dona Florinda



A personagem mais popular de sua carreira como atriz é a rabugenta Dona Florinda. Até onde se sabe, Florinda Meza é uma pessoal muito discreta.
Florinda Meza García nasceu no dia 8 de fevereiro de 1948, na cidade do México.

É a atriz símbolo de todas as principais produções de Roberto Gómez Bolaños. Florinda Meza sempre se destacou por seus excelentes dotes como atriz e por sua grande versatilidade ao encarnar personagens tão diferentes ao longo de sua trajetória artística.
Roberto Gómez Bolaños "Chespirito" a conheceu através de um monitor, gravando em um estúdio; se deu conta que se tratava de uma atriz com potência, e a chamou para trabalhar junto a ele. Seu primeiro trabalho, junto com Roberto, foi em uma sketh chamada "Don Juan Tenorio".
Obteve sua maior popularidade interpretando durante anos a personagem Dona Florinda, do seriado Chaves. Até hoje é difícil compreender como uma pessoal com um rosto tão angelical, pode ser capaz de dar vida a uma personagem tão dura e cruel algumas vezes.
Trabalhou, também, no seriado Chapolin Colorado, onde, na maioria das vezes, fazia o papel de mocinha da história.
Em 1978, Florinda e Roberto começam a namorar “oficialmente”, depois de uma viagem que fizeram ao Chile.
No programa Chespirito, (aqui no Brasil extituído Clube do Chaves) ela interpretou, no quadro "Los Caquitos", (Chaveco) a personagem Chimoltrúfia, uma caipira mexicana, grosseira, que anda toda mau vestida e descabelada - muito diferente da sua intérprete. Como um presente de marido, Bolaños passou a ela os direitos sobre essa personagem.

Produziu, junto com Chespirito, a obra teatral "11 y 12", onde ambos atuaram.
Além da qualidade indiscutível como atriz, Florinda ainda é diretora, produtora, escritora e ainda dança e canta muito bem - tão bem que pode cantar até opera, segundo Roberto Gómez.
Como produtora, Florinda Meza produzia na Televisa as novelas "María de nadie" (1985), "Milagro y Magia" (1991 ,também atuou), "La Dueña" (1995. Foi refilmada e exibida no Brasil pelo SBT com o nome de Amor e ódio, em 2001 ) e "Alguna Vez tendremos alas" (1997).
Um fato bastante curioso na vida da atriz, foi o pequeno romance que ela teve com o ator Carlos Villagrán (intérprete do Quico, no Chaves). Dizem até, que, um dos motivos que mantiveram afastado por mais de 20 anos Carlos Villagrán e Bolaños, foi justamente o ciúmes de alguma dessas duas partes.
Participou, junto com Chespirito, da campanha que elegeu Vicente Fox á presidência do México.
Hoje, Florinda Meza vive no México com seu marido, Roberto Gómez Bolaño.

A biografia do Professor linguiça


O intérprete do romântico Professor Girafales, nasceu no dia 15 de junho de 1934, em Saltilo, Coahuila, México. É o mais velho e o mais alto dos 6 filhos de Rubén Aguirre Flores.
Estudou em Saltilo até o segundo ano do primeiro grau. Foi viver junto com sua família em Torreón, Coahuila. Lá, ele completou o ensino fundamental na escola Centenario e o ensino médio no colégio Venustiano Carranza. Sempre foi considerado um aluno de ótimas notas, porém muito inquieto. Na faculdade, Aguirre estudou engenharia agrônoma.
Rubén começou a trabalhar muito cedo. Com pouca idade já havia trabalhado de tudo um pouco: já foi locutor de rádio e televisão, ventríloco, ator, narrador de touradas, toureiro, diretor de televisão.
Na cidade de Monterrey, Aguirre, trabalhou no Canal 6, como chefe de locutores e mão direita do gerente do canal. Nessa época, o canal tinha sido recém inaugurado e pouco a pouco começava a competir com o Tele Sistema Mexicano (canal mexicano mais importante nessa época).
Depois, os mesmos donos do Canal 6 abriram um outro canal, o Canal 8, e contrataram Rubén, não como locutor nem como ator, e sim como sub-gerente de produção.

Quando o canal entrou no ar, passou a trabalhar como executivo da empresa e, aos fins de semana, como ator, em um programa de sábado, criado por Roberto Gómez Bolaños "Chespirito", que se chamava "Chespiritotadas". O diretor do canal logo o impediu de desempenhar os dois trabalhos, alegando que, para a imagem da empresa, não ficava bem ter um executivo negociando durante a semana e um ator aos sábados. Para surpresa do próprio diretor do canal, Rubén escolheu ficar como ator e abrir mão do alto salário que recebia até então, como executivo da empresa.
A partir daí, começou a trabalhar com Roberto Gómez Bolaños em várias séries, como: "El Cidadano Gómez", "Los Super Genios de la Mesa Cuadrada", "El Chapulíl Colorado" (Chapolin Colorado) e "El Chavo del Ocho" (Chaves).

No seriado Chaves Aguirre conheceu o sucesso internacional, interpretando o altíssimo Professor Girafales, eterno pretendente da Dona Florinda.
Rubéns ainda atuou em quatro filmes de Chespirito: "El Chanfle", "El Chanfle 2", "Charrito", "Don Ratón y Ratiro".
Com o fim definitivo das gravações do Chaves, em 1993, Aguirre produziu no ano seguinte o programa "Aqui esta la Chilindrina". O programa teve como personagem central a esperta Chiquinha, interpretada por Maria Antonieta de las Nieve.
Desde de 1976, Rubén é proprietário de um circo: "El Circo del Professor Jirafales". Mas, nos últimos tempos, tem mantido-se afastado do seu público e deixado de fazer shows, pois sente muita vergonha do seu corpo. Atualmente, o ator que ficou conhecido interpretando o Professor Girafales está pesando mais do que pesava antes o próprio Seu Barriga. Aguirre engordou mais de 25 quilos devido ao uso de um medicamento para curar um problema que tinha na perna há alguns anos.
Hoje, Rubén Aguirre vive com sua esposa, Consuelo Aguirre, com quem teve 7 filhos.

A biografia do SR. Barriga


Edgar Vivar, nasceu no dia 28 de dezembro de 1947, na Cidade do México. É médico de formação, porém tal profissão ele só exerceu por um período aproximado de dois anos. Não seguiu a carreira de medicina, porque no período em que passou atendendo, notou que as pessoas estavam virando apenas números e o atendimento estava se desumanizando.
Iniciou sua carreira como ator no Centro Universitário de Teatro, em 1964 e participou de cerca de 40 obras.
No ano de 1970, quando realizava rádio-teatro, foi chamado por Roberto Gómez Bolaños "Chespirito" para fazer parte dos seus programas cômicos. Nesse mesmo ano, começava a ganhar vida o seriado Chapolin Colorado, que, nessa época, nada mais era do que um quadro do programa "Chespirito".
O seriado Chaves foi o auge de sua carreira. No humorístico em questão, interpretou os famosíssimos personagens Nhonho e o imortal dono da vila do Chaves, o Sr. Barriga.

No inicio dos anos 90, Edgar Vivar deixou o programa "Chespirito" (Clube do Chaves) devido a problemas pulmonares, causados por um problema glandular que fazia ele ganhar muito peso. Graças ao tratamento médico contínuo, emagreceu mais de 50 quilos em um espaço de um ano.

No teatro Edgar Vivar atuou "Marcelino pan y vino" e "En Roma el amor es broma". Depois, participou da zarzuela Luisa Fernanda. Para quem não sabe, zarzuela é uma obra musical e dramática especificamente espanhola, com declamação e canto. Com esta zarzuela Edgar Vivar fez uma turnê por Miami, Boston e outros lugares dos Estados Unidos.
Participou da telenovela "Alguna vez tendremos alas " produzida por Florinda Meza (Dona Florinda) em 1997.
No cinema participou de filmes como: "¿No Oyes Ladrar los Perros?", "En el Cine" , "El Chanfle", "El Chanfle 2", "Don Ratón y Don Ratero" e a produção estrangeira "In and Out".
Assim como a maioria dos ex-atores das séries, Edgar tinha um circo, que se chama"Circo de Noño y el Señor Barriga". Nas turnês que realizou com seu circo, fazia algo no mínimo curioso: interpretava o Nhonho e o Seu Barriga, e contracenava numa vila montada no próprio circo com atores covers.


Edgar Vivar despediu-se dos personagens Seu Barriga e Nhonho em 2002. Em um programa realizado na TVN do Chile, em 15 de setembro de 2002, o ator conversou com o apresentador do "De Pé a Pé", Pedro Carcuro, sobre a sua decisão de abandonar os personagens. Na opinião do ator, seus personagens já cumpriram um ciclo e os anos já lhe são um peso. Durante essa entrevista, Edgar participou de um episódio recriado, com outros atores interpretando os personagens Chaves, Chiquinha, Quico, Seu Madruga e Dona Florinda.
Atualmente, Edgar está co-dirigindo uma série de tevê argentina, com história de suspense. Tem dois filhos e é divorciado.

Godinez e a biografia de seu intérprete


Horácio Bolaños, irmão de Chespirito - criador e intérprete dos personagens Chapolin e Chaves -, nasceu em 28 de julho de 1930, na Cidade do México. Era um dos três filhos de Elsa Bolaños Cacho Francisco Gómez Liñares.
Sua carreira como ator iniciou-se nos seriados humorísticos de seu irmão, no início de década de 70. Seu personagem mais famoso é, sem dúvida, o atrapalhado Godinez, da série Chaves. No Chapolin, Horácio encarnou alguns personagens marcantes, como o “clone” do Polegar Vermelho nos episódios “Festa à Fantasia” e “Acapulco.
Atuou, também, nos filmes “El Chanfle II” e “Charrito”, ambos produzidos por seu irmão.
No final de 1999, Horácio, então com 69 anos de idade, tinha que locomover-se apoiado a uma bengala, devido a uma fratura que sofrera no fêmur.
Em 21 de novembro de 1999, Horácio Gómez Bolaños morre devido a um enfarte.
Suas cinzas descansam na igreja Chestojobak, Lomas de Chapultepec.

Jaiminho, o carteiro e a biografia de seu intérprete

No ano de 1918, no México, nascia o ator Raul Padilla.

Raul passou a integrar o grupo de atores dos seriados criados por Bolaños no final da década de 70. Interpretou, no humorístico Chaves, o personagem Jaiminho. Atuou, também, no Chapolin.
Participou em quatro filmes criados por Chespirito: “El Chanfle” – 1978 –, “El Chanfle II”, – 1980 – “Charrito” – 1985 – e “Don Raton y Don Ratero” – 1983.
Raul Padilla foi casado com Magda Guzman e teve, com ela, um filho chamado Rafael Padilla, que é ator.
Faleceu em 3 de fevereiro de 1994, devido a problema de saúde relacionados a diabete.

A biografia da Bruxa do 71



Angelines Fernández nasceu em 9 de julho de 1922, na cidade de Madri, Espanha.
Em 1947, tentou emigrar para o México, com o objetivo de fugir da ditadura que crescia na Espanha, mas não conseguiu ser refugiada. Acabou se estabelecendo em Cuba para regularizar a sua documentação, até que, em 1950, conseguiu se mudar definitivamente para o México.
Começou fazendo rádio-novelas e, ao mesmo tempo, teatro e cinema. Foi uma das pioneiras do cinema mexicano, atuando em filmes de Mario Moreno "Cantinflas" e Artur de Córdoba.
Se tornou famosa trabalhando com Roberto Gómez Bolaños "Chespirito" na série Chaves, onde interpretou por mais de 23 anos a personagem Dona Clotilde, a Bruxa do 71.
Participou de outras séries criadas por Chespirito, como Chapolin Colorado.
Ao longo de sua carreira como atriz, atuou em muitos filmes: "Misterios de la magia negra" (em 1957), "Mi niño, mi caballo y yo" (em 1958), "El esqueleto de la señora Morales" (em 1959), "El Padrecito" (em 1964), "Estrategia matrimonial" (em 1966), "Despedida de casada" (em 1967), "Corona de lágrimas" (em 1968), "Oye Salomé!" (em 1978), "El Chanfle" (em 1978), "El Chanfle 2" (em 1981), "Charrito" (em 1983), "Bella entre las flores" (em 1990).
Quando Ramón Valdez (intérprete do Seu Madruga) morreu, em 1988, Angelines Fernández foi uma das pessoas que mais sofreram. Eles eram velhos amigos. Já tinham trabalhado em alguns filmes juntos, ainda antes de integrarem o grupo de atores das séries de Roberto Gómez Bolaños. Foi graças a indicação de Ramón Valdez que Fenández passou a integrar o grupo de comediantes de Chespirito. A história é a seguinte: Angelines pediu a Ramón que perguntasse a Chespirito se ele não tinha nenhum papel para ela. Então, Chespirito a inseriu ao seu grupo de atores e criou, na série Chaves, a personagem Dona Clotilde.

O maior êxito como atriz foi encarnar a personagem Dona Clotilde, cujo a característica principal era ser feia. Curiosamente, Angelines foi, em sua juventude, considerada uma das mulheres mais belas do México.
Paloma Fernández, filha única de Angelines Fernández, contou em entrevista que na vida real a sua mãe era vista realmente como uma "bruxa" pelas crianças e ela não gostava disso, ficava brava igual a Dona Clotilde.

Faleceu em 25 de março de 1994, aos 71 anos de idade, com câncer no pulmão, devido ao fumo em excesso. Seu corpo descansa em Mausoleos del Ángel, no México.

A biografia do Quico



Carlos Villagrán nasceu no dia 12 de janeiro de 1944, na Colônia Nativista, em Queretaro, México. Veio de uma família muito pobre, segundo conta o próprio Villagrán: "Éramos tão pobres, que os pobres não se misturavam conosco, por sermos pobres".
Na casa onde Carlos Villagrán viveu com seus pais e seus irmãos (duas irmãs mais novas e um irmão mais velho) era tão humilde que não tinha nem colchão para dormir. Por atravessar tais dificuldades, teve que começar a trabalhar muito cedo, ainda na infância.
Aos 23 anos, começou a trabalhar com a fotografia profissional. Chegou a trabalhar em alguns dos jornais mais bem conceituados do México. Mas, seu sonho, mesmo, era ser apenas duas coisas: ou comediante ou jogador de futebol.
O convite para trabalhar junto a Chespirito e todo o elenco das séries, veio graças a Rubéns Aguirre (Prof. Girafales); este apresentou Carlos para Roberto Bolaños, que já o havia visto em cena em uma obra teatral.
Segundo conta Villagrán, o personagem Quico surgiu da seguinte forma: no final do anos 60, antes de surgir o seriado Chaves, Carlos Villagrán atuava em uma peça de teatro, onde ele já se caracterizava com roupa de marinheiro e com bochechas inchadas, igual ao Quico. Já a versão de Chespirito é a seguinte: Villagrán arrumou uma roupinha de marinheiro, só que Chespirito achou que ele de marinheiro, com o rosto que é visto nos episódios do Chapolin – sem bochechas infladas -, se parecia muito com um personagem de um programa infantil da tevê mexicana, o Chabelo, então, Chespirito inventou que ele seria um menino bochechudo.
Muitos têm a curiosidade de saber o que o intérprete do personagem mais tonto da vila usa, para ficar com aquelas bochechas infladas. Na verdade, ele não usa nada em suas bochechas: Carlos Villagrán é portador de uma doença rara nos músculos do seu rosto, assim Villagrán consegue deixar suas bochechas duras. E o resultado disso é que parece que ele está falando com as bochechas infladas.
Na época em que o seriado Chaves estava em seu auge no México, a EMI Capitol aproveitou o destaque que o personagem Quico tinha na série e chamou Villagrán para gravar um disco, onde se incluíam dez músicas. Isso ocorrera, precisamente, em 1976.

No final de 1978, Carlos Villagrán decidi sair do elenco do Chaves para estrear um programa solo na Venezuela, que se chamou "Frederico". Segundo Villagrán, ele deixou a série Chaves, pois o seu personagem estava ficando mais popular que o próprio Chaves, e isso incomodava Roberto Gómez Bolaños "Chespirito". Além do programa "Frederico", Carlos ainda fez outros programas com o personagem Kiko (com "K", pois os direitos sobre Quico com "Q" é de Roberto): "Niño de papel", "El Circo de Moisier Cachetón" e "Kiko Botones".
No dia 1° de abril de 2000, Carlos Villagrán participou da homenagem a Chespirito, promovida por Roberto Gómez Fernadez, filho de Chespirito. Essa homenagem se realizou num canal da TV Televisa, e foi marcado pelo reencontro de Roberto Gómez Bolaños "Chespirito" e Carlos Villagrán, que não se falavam há mais de 20 anos. As más línguas dizem que ele cobrou para participar da homenagem.
Atualmente, Carlos vive na Argentina, com sua esposa, com quem teve seis filhos: Paula, Sylvia, Samantha, Edson, Gustavo e Vanessa. Tem ainda um circo chamado "El Circo de Kiko", que, inclusive, já veio ao Brasil, em meados da década de 90.

A biografia do Seu Madruga


O saudoso
Ramón Valdez nasceu no ano de 1923, na Cidade do México. Com 2 anos de vida, foi morar com seu pai na pequena cidade de Juarez, no México.Teve três esposas, uma delas era a cantora Aracely Julian, e aproximadamente 10 filhos.


As filhas Aracely, Gabriela, Carmen e Aracely Valdéz, contaram a um site mexicano como o pai era por trás das câmeras: um doce de pessoa. Sempre se vestiu de forma bem simples, igual ao Seu Madruga, e só usou smoking no casamento delas.

Antes de trabalhar com Roberto Gómez Bolaños "Chespirito", atuou em vários filmes junto com seus irmãos Manuel Valdés "El loco" e Gérman Valdés "El Tin Tan". Logo se vê que a veia artística era de família.
Ramón foi um veterano no cinema, trabalhou em quase 50 filmes, nos quais destacam-se "Calabacitas tiernas" (1948), "El rey del barrio" (1949), "Soy Charro de Levita" (1949), "La marca del Zorrillo" (1950), "Fuerte, audaz y valiente" (1960) e "El capitán Mantarraya" (1969). Também trabalhou em novelas como "Lupita" (exibida no Brasil pelo SBT em 1985).
Conheceu Roberto Gómez Bolaños em um filme, onde eles trabalharam juntos. Se fez mundialmente famoso trabalhando na série "El Chavo del Ocho" (nome original da série Chaves), onde interpretava o personagem Don Ramón (nome original do personagem Seu Madruga), com todo aquele seu carisma incomparável.
Ainda antes de participar do seriado Chaves, Ramón trabalhou em outras séries de Chespirito - sempre com atuações marcantes. Em "Los Supergenios de la Mesa Cuadrada", outra série criada por Chespirito, Ramón interpretou o personagem Don Juan Ramon Valdez.
Também teve participações marcantes no seriado Chapolin Colorado, onde interpretava, na maioria das vezes, os vilões da história. Alguns deles inesquecíveis, como é o caso dos personagens Tripa Seca, Racha Cuca e Pirata Alma Negra.
No ano de 1979, Ramón Valdez deixa o seriado Chaves para trabalhar com Carlos Villagrán, Quico, em um programa na Venezuela, que se chamou "Frederrico". O programas não teve grande êxito e, em 1981, ele volta a integrar o grupo de atores da série Chaves e, posteriormente, o programa “Chespirito”.
Em 9 de agosto de 1988, Ramón Gómez Valdez y Castillo veio a falecer, deixando aproximadamente dez filhos e milhões de fãs ao redor do mundo. A morte de Valdez se deve ao fumo em excesso, que ocasionou um câncer no pulmão, que se espalhou para o estômago, e veio a levar o inigualável Ramón Valdez a morte. Com certeza todos do elenco sentiram muito a perda do companheiro, mas talvez quem mais sofreu foi Angelines Fernández, a Dona Clotilde. No enterro, ela permaneceu cerca de duas horas de pé, junto ao caixão do saudoso Ramón. Os dois eram muito amigos. Em todo o velório, ela repetia aos prantos: "Mi rorro, mi rorro...".
Nos últimos anos de sua carreira, Valdez dedicou-se a viajar com seu circo por toda a República Mexicana.


segunda-feira, novembro 16, 2009

Veja a íntegra da entrevista com a cantora Lady Gaga

Fantástico aponta Lady Gaga como a nova rainha do pop. Confira a entrevista completa, exibida ontem na Rede Globo.